quinta-feira, 16 de junho de 2016

ORAÇÕES COORDENADAS

ORAÇÕES COORDENADAS

1 - CONJUNÇÃO
É a palavra invariável que relaciona duas orações ou dois termos que exercem a mesma função sintática.
Quando duas ou mais palavras desempenham o papel de conjunção recebem o nome de locução conjuntiva. Veja alguns exemplos: apesar de, à medida que, a fim de que, à proporção que, desde que, visto que, ainda que, por mais que etc.
As conjunções coordenativas são classificadas em:
Classificação
Sentido
Principais conjunções
Aditivas

Adição, soma

E, nem, mas também, não só, nem (= e não) como também, além de (disso, disto, aquilo), quanto (depois de tanto), bem como.

Adversativas

Oposição, contraste

Mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, senão, não obstante.

Alternativas

Alternância, exclusão, dúvida, escolha, advertência, ameaça

Ou, ou... ou, ora... ora, já...já, quer...

Conclusivas

Conclusão, explicação
Logo, pois (posposto ao verbo), portanto, por isso.

Explicativas

Justificativa

Pois (anteposto ao verbo), porque, que, por conseguinte, por isto, assim.

2 - ORAÇÕES COORDENADAS
As orações coordenadas mantém uma relação de independência umas com as outras. Um ponto final pode separá-las e manter o sentido. Há dois tipos de orações coordenadas: sindética e assindética. (Sindeto é o mesmo que conjunção, portanto, quando dizemos que é uma oração coordenada sindética, significa dizer que ela possui conjunção. Assim como o “a” de assindética significa ausência de conjunção, ou seja, ausência de sindeto).
Exemplos:
Ele entrou, sentou.
Ele entrou. Sentou
Ambas são orações coordenadas assindéticas e pode-se perceber a independência que mantém uma da outra.
As orações coordenadas sindéticas são de 5 (cinco) tipos e sua classificação depende da conjunção presente: Aditiva, adversativa, alternativa, conclusiva e explicativa.
a)     Aditiva – Função de soma, adição, acréscimo. Ex:
            Fabiano deu-lhe umas pancadas e esperou sua reação.
            Luciana trabalha e estuda.
b)  Adversativa – função de oposição, contraste ou compensação Ex:
Certamente esse obstáculo não era o culpado, mas dificultava a marcha.
            Ele trabalhou durante todo o mês, mas não recebeu seu salário.

c)   Alternativa – função de alternância, exclusão, dúvida, escolha, advertência, ameaça. Ex:
Ou chegava a chuva, ou todos morreriam de fome.
            Ou Renata estuda, ou Renata trabalha.

d)  Conclusiva – função de conclusão, explicação, conclusão ou consequência referente à oração anterior. (POSPOSTO AO VERBO) – Ex:
Não choveu, portanto João partiu.
Fez sozinho toda a planta do prédio. Sabe, pois, senhores, todos os riscos.
A situação econômica é delicada; devemos, pois, agir cuidadosamente.

e)  Explicativa – função de Justificativa ou uma explicação referente ao fato expresso na declaração anterior. Ex:
Pedro sentiu pena de Maria, pois ela era pobre. (ANTES DO VERBO)
            Ela não irá à festa, pois seu pai não permite. (ANTES DO VERBO)
            O relógio não enferruja, pois é de ouro. (ANTES DO VERBO)
PARTICULARIDADES IMPORTANTES

Algumas conjunções ou locuções conjuntivas podem ter mais de um valor semântico, ou seja, mais de um sentido. Esse fenômeno ocorre tanto no período coordenado quanto no subordinado. Sendo assim, deve o aluno conhecer os vários contextos que um conectivo (conjunção ou locução conjuntiva) pode assumir. No caso do período coordenado, as conjunções e locuções que admitem outros sentidos são: e, mas também, não obstante, pois.

1. A CONJUNÇÃO “E”.

Essa conjunção pode assumir pelo menos quatro sentidos em língua portuguesa: aditivo, adversativo, conclusivo e consecutivo. Para o sentido aditivo, não precisa associação com outro conectivo de mesmo sentido. Todavia, para os outros, use os conectivos referentes a cada sentido assumido (adversativo, conclusivo e consecutivo).

O adversário entrou no ringue e venceu o rival. (Aditivo)

O professor explicou, e ninguém entendeu. (Adversativa)

O atleta não se apresentou, não treinou e foi afastado do time. (Consecutiva)

2. A LOCUÇÃO “NÃO OBSTANTE”.

Essa locução pode assumir dois sentidos: adversativo ou concessivo. Ela assumirá o sentido adversativo quando usada no modo indicativo e puder ser substituída por “porém”, “todavia” etc. No entanto, quando usada no presente do subjuntivo, tem valor adverbial concessiva, podendo ser substituída por embora.

O atleta esforçou-se bastante, não obstante teve um desempenho ruim. (Porém teve um desempenho ruim).

Ela teve um resultado insuficiente, não obstante tenha estudado. (sub. adverbial concessiva). (embora tenha estudado.)

3. A CONJUNÇÃO “POIS”.

Essa conjunção pode ser explicativa se vier antes do verbo da oração de que ela faz parte. Todavia, será conclusiva se vier depois do verbo.

Não faça nada errado, pois pode prejudicá-lo. (explicativa)

A violência campeia na cidade, devemos, pois, ter cuidado. (Conclusiva)

4. A CONJUNÇÃO “MAS”.

Essa conjunção é adversativa enquanto que a locução “mas também” é aditiva.

Houve distribuição dos alimentos, mas os populares não aceitaram. (Coordenada adversativa)

Não só houve entrega de alimentos, mas também se distribuíram brinquedos. (Coordenada aditiva)



Nenhum comentário:

Postar um comentário